Nova pesquisa
Campo obrigatório.
Campo obrigatório.
idades

Required field and value less than 18

Required field and value less than 18

Required field and value less than 18

idades
Required field and value less than 18
Required field and value less than 18
Required field and value less than 18

idades
Required field and value less than 18
Required field and value less than 18
Required field and value less than 18

idades
Required field and value less than 18
Required field and value less than 18
Required field and value less than 18


Ver outras opções

Jordânia

Destinos a visitar

Informações


promImage

A Raidho Online oferece os mais diversos destinos em todo o mundo. Nossa missão é: Proporcionar aos clientes a realização dos seus sonhos embarcando num mundo fascinante de sensações e experiências únicas através da qualidade, segurança, conhecimento e competência.

A Raidho Online oferece um buscador de destinos que conecta você as todas disponibilidades e preços, para que você possa comparar e escolher as melhores opções da melhor maneira possível. Em apenas três passos você busca, seleciona e compra seu avião e hotel em qualquer lugar do mundo. Navegue no nosso site e aproveite as nossas promoções.


Mais informações:

A Jordânia é essencialmente um grande planalto cuja altitude vai decrescendo desde as serras relativamente baixas da zona ocidental (altitude máxima de 1754 m no monte Ramm, a sudoeste) até ás fronteiras orientais. A parte ocidental é a mais acidentada, não só devido às cadeias montanhosas, mas também à descida abrupta até à depressão que liga o mar Vermelho ao mar Morto e ao rio Jordão.

A Jordânia é um país do Médio Oriente, limitado a norte pela Síria, a leste pelo Iraque, a leste e a sul pela Arábia Saudita e a oeste pelo Golfo de Aqaba (através do qual faz fronteira marítima com o Egito), por Israel e pelo território palestino da Cisjordânia. Sua capital é a cidade de Amã.

Imagem: Wikipedia


Conheça a Jordânia

Todo o país é desértico ou semidesértico, sendo a zona menos árida também aquela onde se aglomera a maior parte da população: a região noroeste, separada da Cisjordânia pelo Jordão. As maiores cidades são Amã e Irbid.

A economia da Jordânia depende da exploração de fosfatos, carbonato de potássio, do turismo, da comercialização de fertilizante e de outros serviços. Estas são suas fontes principais do salário da moeda corrente. Na falta de florestas, reservas de carvão, energia hidrelétrica e de depósitos de petróleo comercialmente viáveis, a Jordânia aposta no gás naturalpara suprir internamente pelo menos parte de suas necessidades de energia. A Jordânia importa o petróleo do Iraque.

A maior parte da população jordaniana é de origem árabe. As principais minorias étnicas correspondem à dos armênios e a um reduzido grupo de origem caucasiana. Quase todos os habitantes são muçulmanos sunitas, embora existam pequenas comunidades xiitas e cristãs - das quais um terço pertence à Igreja Ortodoxa Grega.

A elevada taxa de natalidade (3,6 filhos por mulher) e o ingresso de imigrantes constituem a base do alto crescimento demográfico. O fluxo imigratório é formado, em sua maioria, por refugiados palestinos procedentes a da Cisjordânia. As condições climáticas e a disponibilidade de água são os fatores que determinam distribuição da população, concentradas nas proximidades do Lago Tiberíades, do Mar Morto e ao longo do Rio Jordão.

Nem só de areia e especiarias vive o turismo da Jordânia. No país que abriga tantos espetáculos da natureza, há ainda espaço para um tipo especial de visitante: os turistas religiosos, embalados pelas inúmeras referências bíblicas que remetem ao território jordaniano.


A principal porta de chegada à Jordânia acontece pela capital Amã, localizada no norte do país. E é nos arredores da cidade que estão os principais pontos de interesse para os peregrinos da Terra Santa. De Amã é muito fácil chegar ao Monte Nebo, o Rio Jordão e a Madaba. É na capital do reino jordaniano também que estão algumas das mais belas mesquitas do país como a Mesquita do Rei Abdullah I e a Mesquita do Rei Hussein.

A Jordânia encontra-se associada a lendas românticas, cidades perdidas, a Histórias da Bíblia e a filmes eternos que passam pelo épico de Lawrence da Arábia, protagonizado por Peter O'Toole, até a saga Indiana Jones e a Grande Cruzada. A Jordânia é um dos países mais acolhedores e estáveis do Médio Oriente com cenários únicos, desde a cidade antiga de Petra até a paisagem desértica de Wadi Rum.

Quando se fala da Jordânia, fala-se de Petra. Uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo. Petra é uma cidade mítica e que goza de exclusividade arquitetônica a nível mundial, foi construída pelos nabateus e anexada pelo Império Romano até dois terremotos que destruíram totalmente a cidade e esta deixou de ser habitada e foi esquecida. Até que as suas ruínas foram descobertas e escavadas pelo comando do suíço Johann Ludwig Burckhardt em 1812. Sua localização no meio do nada, as suas lindas fachadas e história envolvida que a fazem tão reconhecida mundialmente.

Dados sobre a Jordânia

Capital Amã
Moeda Dinar Jordaniano
Idioma Oficial Árabe
Fuso Horário Meridiano de Greenwich + 2 horas
Vistos Consulares Todas as nacionalidades necessitam de visto de entrada.
Clima / Melhor Época A melhor época para visitar a Jordânia é na Primavera e no Outono quando as temperaturas são mais amenas (entre 24ºC e 26ºC) e a precipitação é diminuta. O Verão é quente e seco com as temperaturas a atingirem facilmente os 36ºC. O Inverno é frio e úmido com ocorrência de precipitação entre Outubro e Março e as temperaturas médias a situarem-se entre os 12ºC e os 18ºC.
Documentos

Visto a turismo

- Passaporte original com validade mínima de 06 meses + cópia das págs 1, 2, 3 e 4 do passaporte;

- Formulário recente preenchido e assinado;

- 01 foto 3x4 recente;

- Cópia comprovante de residência;

- Certificado internacional de vacinação contra febre amarela.

História da Jordânia

A história desta região remonta há muitos anos, já sendo dominada sucessivamente por distintos povos, sendo habitada por amonitas, amorreus, moabitas e edomitas. A partir do século VII a.C., a presença mais expressiva é a dos nabateus, um povo nômade que constrói uma próspera civilização na área, beneficiando-se do controle das importantes rotas de caravanas localizadas na região. Subsequentes invasores e colonos incluíram egípcios, israelitas, assírios, babilônios,persas, gregos, romanos, árabesmuçulmanos, cruzados cristãos, turcos otomanos e, finalmente, os britânicos.

No fim da Primeira Guerra Mundial, o território que agora compreende Israel, a Jordânia, a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e Jerusalém foi concedido ao Reino Unido como o Mandato Britânico da Palestina. Em 1922, a Grã-Bretanha dividiu o controle estabelecendo o semiautônomo Emirado da Transjordânia, regido pelo príncipe hachemita Abdullah, enquanto continuou a administração do restante da Palestina sob um alto comissariado britânico. O domínio sob a Transjordânia acabou oficialmente em 22 de maio de 1946; em 25 de maio, o país tornou-se independente como Reino Hachemita da Transjordânia. O tratado especial de defesa com o Reino Unido acabou em 1957.

A Jordânia assinou um pacto de defesa mútua em maio de 1967 com o Egito, e participou na Guerra de 1967 entre Israel e os Estados árabes de Síria, Egito e Iraque. Durante a guerra, Israel ganhou o controle da Cisjordânia e toda Jerusalém. Em 1988, a Jordânia renunciou todas as reivindicações sobre a Cisjordânia, mas reteve um papel administrativo sob uma colonização final, e o tratado com Israel permitiu a continuidade do papel jordaniano nos lugares sagrados dos muçulmanos em Jerusalém. O governo dos EUA considera a Cisjordânia como um território ocupado por Israel e acredita que o estado final seja determinado através de negociações diretas entre as partes nas bases das resoluções 242 e 338 do Conselho de Segurança da ONU.

A guerra de 1967 trouxe um dramático aumento do número de palestinos vivendo na Jordânia. A população de refugiados - 700.000 em 1966 - cresceu com outros 300.000 da Cisjordânia. O período que se seguiu à guerra de 1967 viu um aumento no poder e importância dos elementos de resistência palestina (fedayin) na Jordânia. Osfedayin fortemente armados começaram a ser combatidos pelas forças de segurança do estado hachemita, e a luta aberta eclodiu em junho de 1970. Em setembro, a continuidade das ações dos fedayin na Jordânia obrigou o governo a tomar uma ação para reaver o controle sobre sua população e território. A batalha, na qual soldados palestinos de diversas facções da Organização pela Liberação da Palestina (OLP) foram expulsos da Jordânia tornou-se conhecida como "Setembro Negro". As batalhas mais ferozes foram travadas no norte do país e em Amã. Outros governos árabes tentaram contribuir para uma solução pacífica, porém a situação se complicou quando uma força de tanques síriostomou posições no norte da Jordânia para apoiar os fedayin, e foi forçada a recuar. Em 22 de setembro, ministros do exterior árabes reunidos no Cairo conseguiram um cessar-fogo começando no dia seguinte. Violências esporádicas continuaram, entretanto, até que as forças jordanianas lideradas por Habis Al-Majali e com a ajuda de forças iraquianas (que tinham bases no país desde a guerra de 1967), obtiveram uma vitória decisiva sobre os fedayin em julho de 1971, expulsando-os totalmente do país.

Em conferência realizada na cidade de Rabat, em 1974, a Jordânia concordou, juntamente com o resto da Liga Árabe, que a OLP fosse a "única representante legítima do povo palestino", deixando definitivamente então para a organização o papel de representar a Cisjordânia.

Ocorreram batalhas ao longo da linha do cessar-fogo de 1967, no rio Jordão, durante a guerra árabe-israelita de outubro de 1973, mas a Jordânia mandou uma brigada para a Síria para lutar contra as unidades israelenses. A Jordânia não participou da Guerra do Golfo de 1990-91. Em 1991, a Jordânia aceitou, juntamente com representantes da Síria, Líbano e representantes palestinos, participar de negociações de paz diretas com Israel na Conferência de Paz de Madrid, mediadas pelos Estados Unidos e Rússia. Foi negociado o fim das hostilidades com Israel e uma declaração neste sentido foi assinada em 25 de julho de 1994 (ver Declaração de Washington). Como resultado, o tratado de paz jordano-israelense foi concluído em 26 de outubro do mesmo ano. Com o início das lutas entre Israel e a Autoridade Palestina, em setembro de 2000, o país ofereceu-se como mediador para ambos os lados. Desde então, a Jordânia tem procurado ficar em paz com todos os seus vizinhos.

Em 9 de novembro de 2005, a Jordânia sofreu três atentados simultâneos à bomba em diferentes hotéis de Amã. Pelo menos 57 pessoas morreram e 115 ficaram feridas. O grupo "Al-Qaeda no Iraque", liderado pelo terrorista Abu Musab al-Zarqawi, um jordaniano de nascimento, assumiu a responsabilidade.

Copyright © 2013 Raidho Online - Todos os direitos reservado






Aguarde um momento enquanto
efetuamos o seu pedido


Powered by:


A sua sessão expirou


Ok